Notícias

15/10/2012 | A FARSA DO CAIXA DOIS*


* Publicado na REVISTA VEJA - 14/10/2012

O ex-tesoureiro do PT assumiu a responsabilidade pelo esquema do mensalão imaginando que tudo ficaria reduzido a um simples caso de infração eleitoral

RODRIGO RANGEL

O ex-tesoureiro Delú­bio Soares tinha pla­nos auspiciosos para o futuro. Absolvido, pretendia se candidatar a de­putado federal por seu estado,Goiás. Eleito, teria um atesta­do inequívoco de que era quem dizia ser e fizera tudo da maneira mais correta pos­sível - a deturpada estratégia de purgação eleitoral petista.
Mas os fatos são teimosos.

Em plena festa para comemo­rar seu aniversário de 50 anos, quatro meses depois da entre­vista em que Roberto Jefferson expôs as vísceras do es­quema de compra de votos no Congresso Nacional, Delúbio disse que o mensalão viraria uma "pia­da de salão". Ele apostava que, com o tempo, as denúncias seriam esclareci­das e esquecidas. Um tremendo erro de cálculo do professor de matemática que conheceu a fama como arrecadador da primeira campanha vitoriosa dé Lula ao Palácio do Planalto e ganhou de vez a ribalta como o chefâo do cofre do maior esquema de corrupção da histó­ria do país.

Condenado por unanimidade pelo Supremo Tribunal Federal, a única cer­teza do tesoureiro é a que agora se apre­senta no horizonte: a cadeia. De tanto conviver com Lula, seu amigo do peito há mais de trinta anos, Delúbio apren­deu a arte da autoconfiança. No caso do mensalão, ele reverberava o mantra pe­tista: até os ministros do Supremo marcarem o julgamento, o crime de "caixa dois" de campanha já estaria prescrito. Resumindo, Delúbio poderia assumir sozinho a responsabilidade pelos paga­mentos aos deputados e aos partidos, sem medo de ser feliz. Com seu jeitão de matuto, aceitou silente a sua expul­são do PT, constrangimentos e humilhações. "O PT é meu projeto de vida", re­pete o ex-tesoureiro, cujas penas podem chegar a 23 anos de cadeia, somando os crimes de corrupção ativa, pelo qual já foi condenado, e formação dé quadrilha, a ser julgado nos próximos dias.

Delúbio Soares tinha papel de proa no mensa- lâo. Foi ele quem pôs a mão na massa para fazer funcionar a máquina de corrupção comandada do Palácio do Planalto. Para manter o duto financeiro azeitado, ele recorreu aos préstimos do empresário mineiro Marcos Valério, cujos interesses no gover­no federal eram atendidos em troca do dinheiro que permitia a compra de par­lamentares. Cabia a Delú­bio comunicar a Marcos Valério a quem e quanto pagar. A ascensão de Delúbio no partido coincidiu com uma repentina mudança de hábitos. O sim­plório professor assalaria­do passou a circular em carros de luxo, usar roupas de grife, fumar charutos e beber vinhos caros.

O ex-tesoureiro agia com o aval e o conhecimento de seus superiores na hie­rarquia petista. Era tão íntimo do ex-presidente Lula que entrava no Planalto sem ser anunciado. Uma intimidade que não fazia muita questão de esconder. Delú­bio chegou a ser fotografado segurando uma cigarrilha que o presidente tentava fumar sem ser percebido. Como se fosse a coisa mais normal do mundo, partici­pava de reuniões, para tratar de assuntos de interesse do governo, com José Dir- ceu e financiadores do mensalâo. Cuidar do caixa de campanha de Lula lhe abriu muitas portas. Mas nem tudo saiu como o combinado -- ou como o prometido. Nem a piada foi de salão.



Leia também:

03/05/2019
Nota: falta de transparência no corte de verbas no ensino superior é preocupante.

20/02/2019
ESCOLHA DO NOVO CONSELHEIRO: CRITÉRIOS POLÍTICOS QUE SEGUEM DESAGRADANDO A SOCIEDADE CIVIL E A POPULAÇÃO CAPIXABA

29/01/2019
Das nomeações para cargos do governo do Estado do Espírito Santo

27/01/2019
NOTA: Resistir é preciso De Mariana à Brumadinho impera a ineficiência e irresponsabilidade pública e privada

04/01/2019
NOTA: Inciso aprovado no estatuto do COAF gera preocupação



(c) 2009-2020. Transparência Capixaba - Todos os direitos reservados.
Porto