Artigo

Retrocessos*

Helio Schwartsman
é articulista do jornal Folha de S. Paulo. Bacharel em filosofia, publicou "Aquilae Titicans - O Segredo de Avicena - Uma Aventura no Afeganistão" em 2001. helio@uol.com.br



* Publicado no jornal FOLHA DE S. PAULO - 21/11/2012


SÃO PAULO - Um grupo tenta refundar a Arena, o partido que deu sustentação à ditadura, e o Senado aprova projeto de lei que obriga escolas de ensino fundamental a ministrarem a disciplina Cidadania Moral e Ética -um novo nome para a velha Moral e Cívica dos militares. Parem o Brasil que eu quero descer.

Embora a primeira iniciativa pareça mais grotesca, é a segunda que me preocupa. No primeiro caso, estamos diante de um bando de jovens que, provavelmente devido à ausência de boas aulas de história, não entendeu que golpes de Estado são um péssimo jeito de solucionar conflitos políticos. De resto, as chances de a coisa prosperar são diminutas.

No segundo, o que temos é uma das Casas do Legislativo, sem reflexão e contra parecer das autoridades educacionais, aderindo a uma palavra de ordem que poderá fazer mal ao já capenga ensino brasileiro.

É incrível que senadores ainda não tenham compreendido que assistir a aulas de ética não torna ninguém ético. Seres humanos são bons em apreender e assimilar os valores do grupo em que estão inseridos. Ninguém precisa ouvir de um professor que o assassinato é ilegal para descobrir que é errado matar uma pessoa. O código moral não chega a ser item de fábrica do homem, mas a capacidade para perceber as necessidades do grupo e a propensão para, no mais das vezes, cooperar é.

Há, decerto, casos em que deixamos de fazê-lo. Eles envolvem combinações de causas situacionais (necessidade premente, pressão dos pares etc.) e disposicionais (personalidade explosiva, violenta etc.).

Assim, ensinar Moral e Ética fica em algum ponto entre a propaganda (que pode ser útil em circunstâncias especiais) e a redundância. Mas, num contexto em que nosso ensino básico falha em objetivos bem mais factíveis como ensinar português e matemática, desperdiçar tempo e recursos com disciplinas meio quiméricas é um crime contra a garotada.






(c) 2009-2013. Transparência Capixaba - Todos os direitos reservados. Porto - Internet de Resultados.
Porto - Internet de Resultados