Artigo

Nas mansões do Supremo e do Divino*

Ruth de Aquino
é colunista da Revista ÉPOCA raquino@edglobo.com.br



$0* Publicado na Revista Época - 15/10/2012$0$0$0$0$0Era uma manhã de sol na praia deserta de Geribá, em Búzios, bem cedo. Ano 2005. José Dirceu fazia exercícios a areia. Em forma, bronzeado. Acabara de cair da chefia da Casa Civil do governo Lula, acusado de mandante do mensalão. Perguntei, como uma banhista qualquer: "Como vai a vida, ministro?" "Vai bem", respondeu ele com um sorriso, enquanto a imprensa não me descobrir aqui".$0$0$0$0$0Mesmo destituído do poder oficial, não temia cair em desgraça. Jamais suporia, em seu pior pesadelo, que sete anos depois teria de encarar a execração pública, condenado como um criminoso na mansão do Supremo. Dirceu virou Zé, um vilão do folhetim político brasileiro, o "mandante de um golpe contra a democracia". Mas se considera uma vítima.$0$0Na mansão do Divino, a vilã Carminha foi condenada e chamada de vagabunda. O capítulo em que a personagem de Adriana Esteves foi desmascarada coincidiu com um imenso salto de consumo de energia elétrica. Se o ápice do julgamento na mansão do Supremo era o destino de José Dirceu, na fictícia Avenida Brasil o clímax chegou antes do fim. O que acontecerá agora na novela é secundário, diante da catarse nos sofás brasileiros com a execração de Carminha, a vilã que manipulava todos, filhos, amantes, marido, carentes, empregadas, amigos e inimigos.$0$0$0$0$0Manipulava com propina e lábia. Comprava apoio, conspirava, iludia e dava a volta por cima. Foi quase linchada. Mas se considera uma vítima.$0$0$0$0$0Tanto Dirceu quanto Carminha caíram sem abaixar a cabeça, atirando "contra a covardia moral e a hipocrisia" O autor de Avenida Brasil, João Emanuel Carneiro, já disse que gosta de humanizar vilões, mostrar que ninguém nasce mau. Carminha repetiu mil vezes na trama: "Não sou vilã, sou vítima, vocês vão ver". Quando percebeu que seu discurso de heroína não convencia mais, apontou o dedo para os malfeitos de toda a família. Dirceu, por enquanto, só apontou o dedo para a imprensa. Divulgou em seu blog uma carta "ao povo brasileiro", numa clara alusão a Lula, que também escreveu, em junho de 2002, uma "carta ao povo brasileiro" como candidato do PT à Presidência da República.$0$0No documento, Dirceu afirma que, desde 2005, "em ação orquestrada e dirigida pelos que se opõem ao PT e seu governo", foi transformado pela mídia em "inimigo público número 1". Na visão de Dirceu, o Supremo o condenou como corruptor e chefe de quadrilha "sob forte pressão da imprensa". Não foi mais longe que isso. Mais uma vez, os interesses do PT e de Lula - nas eleições, e especialmente em São Paulo - se sobrepõem a seu drama pessoal, sua reputação. Internamente, no PT, não existe o vilão Dirceu. Ele é um herói das cores do Partido com letra maiúscula. Não é dedo-duro. Foi ovacionado pelos companheiros.$0$0$0$0$0Oficialmente, Dirceu foi chefe da Casa Civil, mas essa era sua face palaciana e festiva. Na vida real, era muito mais - e continua sendo. O confidente-mor de Lula, seu companheiro mais querido, mais fogoso e poderoso. O guerrilheiro que mudou o rosto para não mudar as convicções. O que mentiu até para a família para continuar, clandestino, em seu país. Coisa de novela. No governo Lula, Dirceu era o braço direito do presidente, o homem forte, a eminência parda que falava grosso, o ideólogo do PT.$0$0$0$0$0Agora, Dirceu foi condenado pelo Supremo como "o mandante de crimes cometidos na intimidade das organizações do governo". Como o artífice de um projeto de poder que visava sufocar críticas e se perpetuar no Brasil. Um projeto totalitário, um golpe contra a democracia apoiado por políticos de outros partidos, "propinados e corrompidos". É forte.$0$0Em 2005, convencido de que suas relações e costas quentes o livrariam de um processo exemplar e épico como o de agora, José Dirceu disse textualmente sobre Lula: "Não faço nada que não seja de comum acordo e determinado por ele".$0$0$0$0$0Alguém duvida? Carlos Lessa, economista e ex-presidente do BNDES no governo Lula, afirmou ao jornal O Globo: "Lamento por Dirceu, o mais preparado e brilhante do PT. Foi onipotente, ignorou a ética na construção de apoio. O mensalão fere a democracia. Mas sou contra crucificá-lo. E Lula, claro, sabia de tudo". Para Lula, é bom lembrar, tudo que está sendo julgado no Supremo não passa de "uma farsa".$0$0$0$0$0Na ficção de verdade, com atores pagos, os últimos capítulos deverão mostrar que a vilã Carminha teve um mestre, um modelo e um mentor: seu pai, Santiago, que posava de bonzinho na trama. A verdadeira face de Santiago é outra. Um ladrão de joias, um receptador. Bandidos entregam os objetos roubados dentro das bonecas que Santiago diz consertar.$0$0$0$0$0A História dirá se Dirceu pensou e agiu sozinho ou se deve sua glória e tragédia a alguém acima dele.$0




(c) 2009-2013. Transparência Capixaba - Todos os direitos reservados. Porto - Internet de Resultados.
Porto - Internet de Resultados