Artigo

Dinheiro e corrupção*

Marcilio R. Machado
é Doutor em Administração de Empresas pela Nova Southeastern University.



* Publicado no jornal A Gazeta, 18/01/2012

As perspectivas de redução do crescimento econômico global fizeram com que o governo brasileiro adotasse medidas protecionistas. O país assombrou seus parceiros comerciais ao impor aumento do IPI para automóveis e propor alteração de tributos de importação para têxteis, argumentando que essas medidas são necessárias para defender a indústria nacional da valorização do Real. Antigo defensor da queda de barreiras protecionistas, o governo tem instituído uma série de taxas e medidas burocráticas.

As Nações Unidas desenvolveram um Índice de Desenvolvimento Humano, IDH, que se tornou referência mundial. O IDH do Brasil avançou de 0,715 em 2010 para 0,718 em 2011. Com isso, saiu da 85ª para a 84ª posição. Embora se enquadre na categoria de país com desenvolvimento humano elevado, o Brasil fica atrás de países, que incluem Venezuela, Peru e Equador. Infelizmente, o avanço no que se refere aos aspectos de desenvolvimento humano está muito aquém da sexta maior economia do mundo.

Por outro lado, o país assiste ao engrossamento da lista dos ministros sendo investigados por corrupção. A corrupção faz com que o processo de troca seja menos transparente, escondendo comportamentos que satisfazem interesses de funcionários públicos e de empresas privadas. Notícias frequentes de desvios de recursos públicos chocam a sociedade. Será que existe relação entre protecionismo, desenvolvimento e corrupção?

Estudos empíricos revelam que há uma forte correlação entre globalização econômica e desenvolvimento humano. A globalização proporciona uma maior integração de um país com seus parceiros e proporciona desenvolvimento humano. Além disso, quanto maior a integração de comércio, maior será a pressão na estrutura vigente no país para ser mais responsável, diminuindo as oportunidades para a corrupção. Um país com uma sólida corrente de comércio internacional proporciona maior transparência e cria um ambiente de maiores oportunidades e menos distorções na alocação de recursos.

 

Não adianta reclamar do posicionamento inadequado em relação ao desenvolvimento humano. A malversação de recursos públicos explica o resultado ruim do Brasil. A corrupção propicia o desvio de recursos dos mais pobres para os mais ricos. Embora um país deva usar políticas de defesa comercial, há que se tomar cuidado para que não haja um protecionismo exagerado, pois o mesmo contribui para o aumento da corrupção, que corrobora com muitas moléstias de nossa sociedade, como a desigualdade social e a baixa competitividade de nossos produtos.






(c) 2009-2013. Transparência Capixaba - Todos os direitos reservados. Porto - Internet de Resultados.
Porto - Internet de Resultados