Artigo

Alma de Cachoeiro

João Baptista Herkenhoff
É magistrado aposentado, palestrante e escritor. Livre-Docente da Universidade Federal do Espírito do Santo e professor pesquisador da Faculdade Estácio de Sá de Vila Velha. Autor do livro Filosofia do Direito (GZ Editora, Rio, 2010) e Encontro do Direito com a Poesia - crônicas e escritos leves (GEditora, Rio de Janeiro). E-mail: jbherkenhoff@uol.com.br Homepage: www.jbherkenhoff.com.br



É sabido que os cachoeirenses são bairristas. Mas alguns conterrâneos têm pudor de expressar abertamente esta característica. Eu não tenho. Sou bairrista confesso.

Há momentos em que esse bairrismo explode mais forte, como agora, por exemplo, quando a Academia Cachoeirense de Letras acabou de completar cincoenta anos de existência.

Cachoeiro tem muitas instituições beneméritas, no campo da Cultura, da Educação, do Esporte, do Serviço Social. Mas acredito que a ACL seja o símbolo do conjunto das instituições.

Não se trata de considerá-la a mais importante. A perspectiva em que me coloco é outra. A ACL é a instituição-símbolo porque a ACL aglutina todas as instituições. Busca representar todas, conta a história de todas, corporifica e imortaliza tudo que se faz e se fez em Cachoeiro. A Academia tem missão de resgate, testemunho, compromisso e reverência: resgate das lutas do passado; testemunho dos sonhos do presente; compromisso e reverência para com os projetos do futuro.

Quando podíamos imaginar, em 1962, que cinco décadas depois estaríamos comemorando o Jubileu de Ouro de nossa Casa de Letras!

Dos irmãos Herkenhoff, que participaram da fundação, dois já partiram para a Mansão do Pai - Pedro e Paulo. O irmão que escreve este texto ainda vive neste mundo provisório.

Cachoeiro tem alma. Para alcançar o sentido do que seja a alma cachoeirense é necessária uma incursão pelos caminhos da Antropologia.

Antropologia deriva do grego e significa "estudo do homem". A Antropologia Cultural ou Etnologia estuda as criações do espírito humano, que resultam da interação social, como notou Emídio Willens. É com a lente do antropólogo que podemos entender o que é a alma cachoeirense.

A alma cachoeirense foi talhada através do tempo. Na política, o grande Jerônimo Monteiro nasceu em Cachoeiro. Nas artes são cachoeirenses astros como Rubem Braga, Newton Braga, Roberto Carlos, Sérgio Sampaio, Carlos Imperial, Levino Fânzeres, Luz Del Fuego, Raul Sampaio Coco, Jece Valadão, Benjamin Silva, Narciso Araujo, Frederico Augusto Codeceira, Solimar de Oliveira, Evandro Moreira, João Mota, Marly de Oliveira, Nordestino Filho, Paulo de Freitas, Athayr Cagnin.

Essa alma cachoeirense é tão intensa e profunda que Rubem Braga escreveu: "modéstia à parte eu sou de Cachoeiro de Itapemirim."

O grande Rubem não disse: modestia à parte eu sou o curió da crônica; modestia à parte eu sou considerado o maior cronista deste país; modestia à parte eu elevei a crônica de seu modesto espaço marginal para a condição de gênero literário de primeira grandeza. Rubem Braga compreendeu que mais importante do que tudo isto era mesmo afirmar: modéstia à parte eu sou de Cachoeiro de Itapemirim.






(c) 2009-2013. Transparência Capixaba - Todos os direitos reservados. Porto - Internet de Resultados.
Porto - Internet de Resultados